segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

ATEÍSMOFOBIA


A Nova Ordem Nacional



     A verdade dói. Cria fundos vergões na nossa alma. Abala valores, crendices enraizadas. Tira o ar. Dá vontade de gritar. Por isso alguns preferem a cegueira. Estão retirando seus grilhões e você fica pedindo "pelo amor de deus" que te deixem algemado. A bíblia diz "ame o próximo"; a bíblia diz "escravize o próximo". A ciência "brinca" de deus com as células tronco. E tem gente que chama o bóson de Higgs de partícula de deus. 

"Eu sou o caminho, a verdade e a vida"
     E sabe quem leva a pancada? A paulada? A marretada? A agressão? Aquele que abre os olhos do cego, aquele que retirou suas algemas. Ao invés de refletir, o religioso tupiniquim chuta o rabo do ateu, daquele que tem dúvidas e pesquisa, daquele que tira o toldo hipócrita patriarcal cristão dos seus olhos. 

     Tá, vamos deixar cristo de lado um pouco. Vamos falar de Alá. Ei, meninas são proibidas de estudar (e baleadas) e seus irmãos virarão homens-bomba. E por que? POR ALÁ! E os judeus que sofreram horrores com Hittler? Será que eles não aprenderam nada com o sofrimento para que Israel continue e continue a bombardear a Palestina? Olha, aprendam (mesmo que só um pouquinho) com o Japão, que após duas bombas atômicas é o grande país que conhecemos hoje.

     E por que estou dizendo isso tudo? PORQUE EU SOU ATÉIA E SOFRO PRECONCEITO POR ISSO!!!! Não sou sabichona, ou cheia de mim, como muitos dizem. Eu apenas LEIO, reflito e retiro a lógica disso tudo. Por exemplo: quem veio do nada? O universo ou deus? Bem, o universo está aí para quem quiser ver. Infelizmente deus nunca deu as caras. Aí fulano me pergunta: "e antes do universo?"  Sei lá, gente. Não sei de tudo. Não sou sabichona (lembra?). Mas uma coisa é certa: os pesquisadores pesquisam e os religiosos apedrejam (e jogam bombas).


     HOMOFOBIA NÃO TEM PERDÃO. É o tipo de coisa tupiniquim que diz "Não sou preconceituoso, mas..." Ou então "Tenho amigos gays, mas eles lá e eu cá." Por favor, cadê a lógica disso? Me expliquem! Noutro dia entrei numa discussão homérica sobre homofobia. Fui linchada (virtualmente) porque fulano citou Levítico. Oras, eu também citei contradizendo-o. E devido a isso eu "passei dos limites" porque eu mostrei para o "macho" que o livro sagrado dele é um poço de contradições. E principalmente, que ele estava selecionando no que acreditar, naquilo que lhe convinha.


     E aquela galera que começa uma conversa assim: "Olha só, Maria, me desculpe pelo que eu vou dizer, mas você é ASSIM e ASSADA." Desculpa pelo que vai dizer? Não peça desculpas. Fale ou não fale. Sem demagogia, sem falsos perdões.


     Ser radical é como muitos me definem, mas lembrem-se sempre de que as duas Alemanhas não foram unificadas sem a queda do muro de Berlim. E a cura para a alienação pode ser uma injeção beeeeem dolorosa. Mas JAMAIS culpem o MENSAGEIRO quando a verdade te atingir no peito como uma bala de canhão.


sábado, 1 de fevereiro de 2014


Leve seu filho à escola bíblica dominical!

Quando criança, eu fui. Rigorosamente todos os domingos estava lá.

E quando pré-adolescente eu também fui. Rigorosamente todos os domingos estava lá.

Lembro da Igreja: Nova Vida, cristã protestante. Para sorte deles, não lembro do que diziam quando eu era criança. Para azar deles, eu lembro muito bem do que diziam quando eu era pré-adolescente.

E o que eu aprendi na escola bíblica dominical da Igreja Nova Vida?

Aprendi que fui criado do barro e ganhei livre arbítrio, mas que devia viver com medo de coisas que não existem (inferno, satanás e derivações do tipo) caso eu não cumprisse a vontade de um deus que igualmente não existe e que me ama tanto ao ponto de me dar livre arbítrio e também de me impedir de usá-lo. Então pra que me deu?

Aprendi a aceitar que a família tradicional, "base da sociedade", é o ideal de sociedade perfeita: homem que trabalha e provê a casa, mulher submissa ao homem que serve para gerar filhos e cuidar das atividades domésticas, e crianças que obedecem aos adultos e aprendem a ser homens para dominar as mulheres ou mulheres para ser dominadas pelos homens quando no atingimento da idade adulta.

Aprendi que esse ciclo de impositividade machista-patriarcal-misógina, repetido por gerações, é a vontade de deus.

Aprendi que quem ouse questionar a família tradicional e ser sodomita ou efeminado (1 Coríntios 6;9) "não herdará o reino de deus" e que a tradução disso significa queimar pela eternidade no inferno.

Curioso como deus criou esse Universo gigantesco, complexo, com quadrilhões de planetas, trilhões de estrelas, bilhões de galáxias e com tanta coisa pra se preocupar decidiu a sua inteligência inquestionável que o ponto central de sua lógica é evitar a homossexualidade entre os Homo sapiens do planeta Terra. Mas deixa pra lá, vamos seguir...

Aprendi que a mulher que engravida, mesmo sendo vítima de violência sexual, incapaz de sustentar a gestação ou portadora de um feto que virá a óbito minutos depois do nascimento não deve ter nenhum direito de escolha acerca da interrupção da gravidez. E isso porque deus defende a vida. Embora não entenda que se ele defende a vida, porque nos fez mortais?

E ele só defende a vida dos Homo sapiens. Matar um ser humano é visto como homicídio, matar um feto ainda não nascido é equiparado ao homicídio, mas matar um chimpanzé (que partilha de 99,6% de nossos genes ativos) não é homicídio.

Aprendi que só deus pode criar a vida. Por isso, se deus fez um ser humano portador de necessidades especiais, assim ele deve ser pois deus tem um plano pra ele. Então pesquisas com células-tronco que nos façam brincar de copiar deus para curar essas pessoas são eticamente questionáveis e devem ser combatidas e proibidas.

Não precisamos desenvolver a medicina, pois deus cura todas as doenças - para deus é possível fazer cego enxergar, deficiente físico andar, morto ressuscitar, orelha decepada ser colocada no lugar etc. Mas temos muitos cegos, deficientes físicos, mutilados e mortos prematuramente sem a "cura divina" de deus. Mesmo que alguns peçam tanto por esse milagre (menos os mortos!). Porque? A resposta eu também aprendi: todos sem fé! Deus é infalível e se tivessem fé seriam curados.

Só precisamos de fé para curar até a mais perversa forma de câncer. Só quem não tem fé vai aos hospitais...

Aprendi que desse mundo nada tem valor e que para herdar o reino de deus eu deveria dar tudo aos pobres e seguir os ensinamentos de deus. Mas aprendi que "deus tem vida em abundância" pra mim e que a acumulação de riquezas materiais é possível. Por isso que é justo que alguns possam ganhar de presente de deus um canal de televisão, uma fazenda, uma mansão, um carro luxuoso etc.

E se eu tiver fé e disser "amém" tantas vezes quanto estes abençoados, eu também posso ter uma vida dessas e esquecer daquela bobagem de que é mais fácil um camelo passar por um buraco de agulha que um rico entrar no reino dos céus...

Enfim, eu aprendi na escola bíblica dominical a ser intelectualmente ignorante, misógino, machista, homofóbico, intolerante, preconceituoso e a combater os avanços científicos que possam questionar meus dogmas... tudo isso em nome da fé.

Só o conhecimento, que adquiri por livre e espontânea busca, ainda que sempre combatido por minha própria família, foi capaz de me libertar do que aprendi na escola bíblica dominical. E hoje eu consigo olhar pra trás e pensar: porque fizeram isso comigo? Será que minha família queria que eu fosse um fascista e que o plano de deus pra todas as pessoas é esse?

Partilhem do abuso, da intolerância moral e promovam uma lavagem cerebral com seus filhos: imponham na base da força e da ameaça as suas religiões a eles. Mesmo que crianças sejam novas demais para entender a complexidade das religiões (inclusive compreender que existem várias possibilidades de escolha, não somente uma, e que elas podem escolher entre alguma ou nenhuma delas!), azar o delas (na verdade, melhor ainda: onde há o desconhecimento, a possibilidade de manipulação é maior). Promovam uma lobotomia em seus filhos, tirem o direito de escolha deles, façam deles idiotas, impeçam qualquer possibilidade de que eles sejam emancipados pelo conhecimento e usufruidores de ideias verdadeiramente autênticas. Só assim eles poderão ter suas almas salvas...

E façam isso sem remorsos! Deus deu o direito de livre arbítrio aos pais para que eles pudessem usá-lo em tolhimento do direito de livre arbítrio dos filhos, amém!

Leve seu filho à escola bíblica dominical!


POR MÁRIO JÚNIOR

fonte: www.facebook.com/mariorufinofjr/posts/593214154098183

22

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Monopolizando as minhas bitolações...


Ainda me choca como as pessoas levam as redes sociais tão a sério. Para mim é um local para colocar o que pensa, protestar, dar risadas e compartilhar o que quiser. Me surpreende que as pessoas pensam no que os outros devam fazer com suas contas e, muitas vezes, comentam que vão fazer assim ou assado caso alguém mais saia do "comportamento padrão". Bom, comportamento padrão definitivamente não é comigo. Nunca pedi ao fulano ou ao beltrano que mude a forma de pensar, peço sempre apenas que pense, o que hoje em dia realmente é muito difícil. Recentemente perdi "amigos virtuais" por causa da minha forma de pensar e das minhas opiniões. Sem dúvida alguma, estou monopolizando as minhas bitolações para o próximo aceitar os meus pensamentos de qualquer jeito. Nunca soube que minhas palavras são como um machadinho que abre o crânio alheio e força a opinião para dentro da massa cinzenta. Ah, se eu pudesse fazer isso...

Uma vez meu sobrinho veio com a seguinte frase com tag #internetsocialrules, como se fosse algum tipo de lei internacional; ele nem se deu ao trabalho justo e digno de colocar na nossa querida língua portuguesa. Eu juro que eu caí na gargalhada, pois para mim, a cada dia que passa, as regras sociais estão completamente ausentes (porque realmente acreditar que Jesus não saiu da vagina de Maria é muito normal e questionar isso é coisa de gente anormal e bitolada...) e quem me conhece, sabe disso. Algo que antes eu simplesmente falava da boca para fora, hoje eu defendo com unhas e dentes. Meu direito de pensar, falar e escrever o quiser, principalmente na internet! Quem não gosta, não lê. Existem várias formas de se prevenir de algo que não interessa, assim, é melhor usar essas ferramentas e me deixar em paz para eu bitolar o que quiser!

Muitas vezes me senti censurada pelos outros quando eles expunham as suas opiniões com relação ao meu modo de pensar. Agora, apenas para variar, transformo a censura em piada e repito meu comportamento não padronizado diversas e diversas vezes, até o momento que eu sinta a satisfação de ter perturbado ainda mais a pessoa que me censurou. A pessoa pode até pensar que isso é criancice... Ótimo, porque para responder à uma crítica idiota, só fazendo beicinho mesmo!

terça-feira, 13 de novembro de 2012

50 Tons de Plágio...


Suponho que toda norte americana sonhe em casar virgem ou quase virgem com um homem extremamente novo, fisicamente perfeito, completamente rico e totalmente/fodidamente doente. Isso é o que me parece ao ler o best seller 50 Tons de Cinza de E. L. James. Eu poderia fazer uma equação com ele facilmente:  

Crepúsculo+BDSM=50 Tons de Cinza

Dessa vez a Stephanie Meyer deveria realmente processar por plágio a escritora do livro. Existe uma mocinha pálida e insossa inocente em perigo, que encontra um cara lindo, perfeito e estranho (sem contar o "extremamente rico"), padecendo de algum tipo de trauma infantil. A mocinha é quem salva o galã de um universo terrível e escuro em sua psiquê.

Putz, não sou nenhuma crítica, mas me aventuro a dizer que esta série de romance (?) tem um único ponto positivo: o texto erótico. O resto é lixo e plágio. Até uma família adotiva e a habilidade de tocar piano foram copiadas e coladas do livro do vampiro. 

Não me impressiona que este tipo de enredo faça sucesso no mundo, pois todas as mulheres, novas ou não, acabam se identificando com a Srta. Steele, assim como se identificaram com Bella Swan, procurando por um príncipe encantado que não existe. Os príncipes que existem nesse mundo não são encantados, são seres humanos com defeitos e na maioria das vezes carecas! Não quero dar uma de sabichona, mas começo a pensar que a "diarréia mental" (como diria uma amiga minha) não está apenas na TV, uma vez que a escritora poderia tão somente ter se focado no tema BDSM (que, por acaso, está na moda).

Existem mil universos e roteiros em que a escritora poderia se enveredar para colocar suas ideias, mas ela estava com muita preguiça. Leu Stephanie Meyer, viu alguns filminhos pornô e decidiu o colocar em prática sua "brilhante" escrita.   Aonde foi parar nossa criatividade? Será que estamos na mão da propaganda midiática em cima dos livros também? Estou estarrecida por ter esperado o mínimo de um livro  extremamente famoso e ter encontrado um texto barato que me deixou apenas molhada...

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

This Is My Body por Jason Stefaniak


Esse foi um vídeo que mereceu aparecer no blog, pois ele mostra que cada pessoa é um universo e cada um precisa ter o direito DIVINO e CONSTITUICIONAL de fazer o que quiser com seu corpo.



PS. Quem não fala inglês, por favor, ache alguém por perto para a tradução.